Blog da Guaranita

Das passarelas para as araras no mesmo instante

05 de abril de 2017

Osklen, A.Niemeyer, À la Garçonne e 2DNM foram algumas das marcas que desfilaram na SPFW deste ano com a proposta do See Now Buy Now.
Créditos: Divulgação (Osklen – Marcio Madeira; A.Niemeyer – Alexandre Schneider; À la Garçonne - Zé TAKAHASHI; 2DNM -  Agência Fotosite)

 

Em setembro de 2016, logo após apresentar na London Fashion Week sua coleção outono inverno 2016/2017, a marca Burberry colocou à venda em seu site todas as peças desfiladas. O resultado: estoque esgotado em poucos minutos. Nascia ali a nova febre do mercado da moda, o sistema see now, buy now (veja agora, compre agora).

Visto como a adaptação necessária aos novos tempos, onde impera o imediatismo, o sistema é apontado por muitos como a salvação para a crise financeira que ronda o setor.

No exterior, quem entrou no sistema, ainda que com parte da coleção, não tem do que reclamar. Caso das marcas Tom Ford, Diane Von Furstenberg e Ralph Lauren, por exemplo, que já replicaram o sistema com êxito em duas temporadas. No Brasil, o desafio foi abraçado pela primeira vez por todas as grifes que desfilaram na São Paulo Fashion Week realizada em março.

 


Uma das peças desfiladas por Patricia Bonaldi na SPFW colocadas à venda no site Farfetch no mesmo dia.
Crédito: Reprodução Vogue | Reprodução Farftech

 

PatBo, Apartamento 03, GIG Couture e À La Garçonne recorreram ao e.commerce Farfetch.com para colocar peças de suas coleções à venda logo após a apresentação. Outras grifes, como a carioca Reserva, usaram seus próprios sites para oferecer os lançamentos em pré-venda, com entrega programada para poucos meses.

 


A grife carioca Reserva colocou a coleção apresentada na passarela disponível como pré-venda em seu site pouco depois do desfile. Mas as peças só vão chegar em junho.
Créditos: Reprodução Reserva | Reprodução Vogue

 

Se nas redes sociais a iniciativa é festejada, há quem o veja com ressalvas por limitar a criatividade, já que é preciso pensar em uma coleção “vendável” desde o primeiro momento, sem tempo para que tendências e novas ideias sejam digeridas pouco a pouco pelo público.

O modelo também exige adaptações em toda a cadeia têxtil, que muitas vezes são difíceis de serem feitas de uma hora para outra. Tanto que grandes marcas como Glória Coelho, Reinaldo Lourenço e Ronaldo Fraga preferiram pular a edição de março para voltar só mais para frente, devidamente readequadas ao novo sistema.

Ainda em teste no mundo todo, o see now, buy now já é uma realidade. Mas só o tempo dirá como toda a indústria de moda se adaptará à mudança e quais os retornos efetivos que o esforço de estar cada vez mais próximo ao público trará. Vale ficar de olho.

 


As imagens utilizadas nesta postagem foram coletadas de websites e por isso a elas foram dadas os devidos créditos. Porém, caso você acredite que alguma delas foi divulgada indevidamente ou creditada a outrém por engano, comunique-nos enviando um e-mail (sac@guaranyind.com.br), e nós a removeremos imediatamente.

All images have been taken from other websites, therefore we give credits for those who created them. However, if you believe we may be either using an image unduly or crediting someone else by mistake, then please let us know (sac@guaranyind.com.br). In this case, we will remove such content immediately.

<< post anterior post seguinte >>

Tutorial

Veja todos os Tutoriais
CONTATO